p55 art
Rafa Fernández
Em Promoção

Retrato II

Preço de saldo

€0

Preço normal €1.555
( / )
Entregas
Devoluções
Proteção

O envio para a sua morada é gratuito e inclui seguro de transporte*
Todos os nossos preços incluem todos os impostos e taxas, sem surpresas.
Ao finalizar a encomenda aceita pagar o valor da sua compra num prazo máximo de cinco dias.
Consulte as nossas condições contratuais nos Termos do Comprador.
*Campanha válida para União Europeia. Não inclui produtos com peso acima de 30kg.

A devolução é gratuita durante um período de 14 dias. Para devolver uma obra basta aceder à pagina Política de Devoluções, e ao preencher o formulário, indicar o respectivo dia para a recolha. Após a nossa confirmação, o estafeta efetuará a recolha na morada indicada.

A Proteção ao Comprador retira qualquer risco de fraude da nossa plataforma. A P55 resolverá a situação caso o artigo comprado não se encontre como descrito. Só enviamos o valor da compra ao vendedor depois do cliente receber a obra e estar satisfeito com a sua compra.

Retrato II 79 x 79 cm., papel warmtone. Fotografia e cópia analógica
Serie: Tokyo "Dejando atrás la realidad" Edición de 5 
Rafa Fernández (Lieja, Bélgica, 1966) 

Com uma longa carreira atrás dele, ele trabalha há anos com "Espacio Foto" (Madri) e "El Arte de lo Imposible" (Gijón). Ele também teve exposições individuais no Mediadvanced (Gijón) e no SegoviaFoto Festival no Quintanar Palace. Ele participou de inúmeras exposições coletivas, entre elas as de várias edições do "Festival Speaking in Silver".

Em 2013, ele foi selecionado na XIII Bienal Fotonoviembre e no Luarca International Art Competition e participou de feiras como a Entrefotos e a London Affordable Art Fair.

Em seu trabalho, fotografia e viagem andam de mãos dadas. Suas palavras são definidoras nesse sentido: “Li que Annie Leibovitz se lembrava das longas viagens de carro com sua família, viajando para os diferentes destinos de seu pai militar. Ele comentou que a moldura da janela do carro era sua moldura muito antes de ele ter uma câmera nas mãos. O mesmo aconteceu comigo: pela janela do besouro de meu pai eu me acostumei a ver o mundo enquanto atravessávamos metade da Europa, originária da Bélgica, minha Bélgica, para voltar às Astúrias para férias. ”

Embora ele tenha viajado muito pelo mundo e tenha empregos notáveis ​​de países como o Japão, sua fraqueza são os Estados Unidos. Talvez tenha a ver com suas variadas referências musicais e artísticas, todas elas diretamente ligadas a esta nação: jazz e blues; a fotografia de Robert Frank, Garry Winogrand e William Eggleston, entre muitos outros; e a pintura hiper-realista da segunda metade do século XX de autores como John Baeder ou Richard Estes.