O que é Op art?

O que é Op art?

O que é Op art?
Na década de 1960, surgiu o movimento Op art, também chamada de arte óptica, um novo ramo da arte abstrata geométrica que trata da ilusão de ótica. Este movimento concedeu um grande desenvolvimento na pintura ao usar formas geométricas para criar efeitos ópticos, ambiguidades e contradições na visão do espectador. Através da manipulação sistemática e precisa de formas e cores, cria-se os efeitos da Op art, baseado na ilusão de perspectiva ou na tensão cromática. Na pintura tem sido o principal meio utilizados pelos artistas devido à tensão superficial geralmente maximizada até o ponto em que uma pulsação ou cintilação real é percebida pelo olho humano. A Op art está indiretamente relacionada com outros movimentos que surgiram durante o século XX como orfismo , construtivismo, suprematismo e Futurismo, pela preocupação com relações formais totalmente abstratas com ênfase no movimento e dinamismo pictórico. Os principais artistas do movimento Op art, foram Victor Vasarely , Bridget Riley, Richard Anuszkiewicz, Larry Poons e Jeffrey Steele. O movimento atraiu a atenção internacional pela primeira vez com a exposição Op “The Responsive Eye” no Museu de Arte Moderna de Nova York em 1965. Os artistas criaram espaços ópticos complexos e  paradoxais, através da manipulação ilusória de formas repetitivas simples como linhas paralelas, padrões de xadrez e círculos concêntricos ou criar tensão cromática da justaposição de cores complementares (cromaticamente opostas) de igual intensidade.  

Victor Vasarely  | Magazine | P55.ART

Victor Vasarely 
Victor Vasarely inicialmente trabalhou como artista gráfico em Budapeste e posteriormente em França, onde produziu cartazes publicitários para grandes empresas. Em 1937, criou várias trabalhos, incluindo “Zebra”, a peça de arte considerada pelos criticos a primeira verdadeira Op art pintura já criada. Assim, o artista franco-húngaro foi creditado como o avô e líder do movimento Op Art. Utilizando formas geométricas e gráficos coloridos, o artista criou ilusões convincentes de profundidade espacial, como se pode analisar na obra Vega-Nor (1969). O método de pintura de Vasarely foi influenciado pelos princípios de design da Bauhaus, Wassily Kandinsky e o construtivismo. Durante a década de 1940, experimentou um estilo baseado no surrealismo e no expressionismo abstrato, antes de chegar às suas pinturas. O artista morreu aos 90 anos em 15 de março de 1997 em Paris, França. As suas obras estão atualmente nas coleções da Albright-Knox Art Gallery em Buffalo, do Art Institute of Chicago, da Tate Gallery em Londres e da Peggy Guggenheim Collection em Veneza.

Victor Vasarely | Magazine | P55.ART

Bridget Riley
Bridget Riley é uma artista britânica conhecida pelas suas singulares pinturas Op Art. Ao combinar linhas limpas, arranjos de cores e precisão geométrica, conseguiu criar efeitos visuais visualmente atraentes, como na obra “Cataract 3” (1967). Nas suas obras denota-se admiração pelo pontilhista Georges Seurat pelo uso de gradientes e variações de tom. “O olho pode viajar sobre a superfície de maneira paralela à maneira como se move sobre a natureza. Deve sentir-se acariciado e acalmado, experimentar fricções e rupturas, deslizar e deriva. Num momento, não haverá nada para olhar e no segundo seguinte a tela parece se encher novamente, estar cheia de eventos visuais.” afirmou a artista sobre o seu trabalho. Nasceu em 24 de abril de 1931 em Londres, Reino Unido, estudou no Goldsmiths College de 1949 a 1952 e no Royal College of Art de 1952 a 1955. Nos anos seguintes, a artista começou a experimentar os efeitos de cor desenvolvidos por Georges Seurat em século XIX, levando-a à prática pela qual é hoje conhecida. Atualmente vive e trabalha em Londres, Reino Unido. Suas obras estão atualmente nas coleções do Museu de Arte Moderna de Nova York, da Galeria Nacional de Arte de Washington, DC, da Galeria Tate em Londres e da Coleção Peggy Guggenheim em Veneza.

Bridget Riley | Magazine | P55.ART

Richard Anuszkiewicz 
Richard Anuszkiewicz foi um artista americano contemporâneo mais conhecido pelas suas fascinantes pinturas Op Art. As obras de Anuszkiewicz estão saturadas de cores vibrantes dispostas em composições geométricas abstratas, explorando formalmente os fenómenos de luz, cor e linha e os seus efeitos na percepção humana. “Estou interessado em fazer algo romântico a partir de uma geometria muito, muito mecanicista. Geometria e cor representam para mim um lugar clássico idealizado que é muito claro e muito puro”, afirmou Anuskiewicz. Entre as suas obras mais famosas está Deep Magenta Square (1978), uma composição hipnótica que apresenta a ilusão de movimento oscilante através de relações de cores contrastantes. O seu trabalho foi bem recebido na década de 1960 e conquistou a inclusão na Bienal de Veneza e na Documenta, além de várias honras, incluindo o Prémio Lee Krasner de 2000. O artista faleceu na sua casa em Englewood, Nova Jersey, em 19 de maio, apenas quatro dias antes de completar 90 anos. 

Richard Anuszkiewicz  | Magazine | P55.ART

Felipe Pantone
Felipe Pantone é um artista argentino-espanhol que demonstra nos seus trabalhos o dinamismo, transformação, revolução digital e temas relacionados aos tempos atuais. Felipe Pantone evoca um espírito no seu trabalho que parece uma colisão entre um passado analógico e um futuro digitalizado, onde seres humanos e máquinas inevitavelmente se misturam num prisma de gradientes de neon, formas geométricas, padrões ópticos e grades irregulares. “A cor só acontece por causa da luz, e a luz é a única razão pela qual a vida acontece. Luz e cor são a própria essência da arte visual. Graças à televisão, computadores e iluminação moderna, nossa percepção de luz e cor mudou completamente", afirmou Felipe Pantone. Para o artista argentino-espanhol, as suas criações são uma meditação sobre as formas como consumimos informações visuais. Victor Vasarely e Carlos Cruz-Diez foram alguns dos artistas que o inspiraram. O seu trabalho é concebido em diversos softwares e posteriormente traduzido em afrescos, murais, pinturas e esculturas que dão mérito tátil ao que ocorre no mundo digital. “Cresci como pintor, me formei como pintor, e agora meu maior objetivo é me livrar de toda a formação académica e poder fazer arte livremente, com as ferramentas que melhor funcionam para mim”, afirmou Felipe Pantone. Seja expondo em galerias de todo o mundo ou pintar murais em Portugal, as aplicações da Felipe Pantone estão sempre unidas pela intersecção da tecnologia e das belas artes.

Pantone | Magazine | P55.ART


Older post Newer post