p55 art
Vhils
Em Promoção

SKU:

Serigrafia sobre papel

Preço de saldo

Preço normal €1.620
( / )
Entregas
Devoluções
Proteção

O envio para a sua morada é gratuito e inclui seguro de transporte*
Todos os nossos preços incluem todos os impostos e taxas, sem surpresas.
Ao finalizar a encomenda aceita pagar o valor da sua compra num prazo máximo de cinco dias.
Consulte as nossas condições contratuais nos Termos do Comprador.
*Campanha válida para União Europeia. Não inclui produtos com peso acima de 30kg.

A devolução é gratuita durante um período de 14 dias. Para devolver uma obra basta aceder à pagina Política de Devoluções, e ao preencher o formulário, indicar o respectivo dia para a recolha. Após a nossa confirmação, o estafeta efetuará a recolha na morada indicada.

A Proteção ao Comprador retira qualquer risco de fraude da nossa plataforma. A P55 resolverá a situação caso o artigo comprado não se encontre como descrito. Só enviamos o valor da compra ao vendedor depois do cliente receber a obra e estar satisfeito com a sua compra.

Vhils
2019
Serigrafia sobre papel
Dim.: 70x50Cm.
Acabada a mão (ink and bleach /acidente) assinada e numerada pelo artista.
Edição  apenas de 100 exemplares em papel 300 gramas.
Nº 84/100
Acompanha certificado de autenticidade.
Foto original do produto 

Biografia

Um dos principais artistas do movimento da arte urbana (street art), Alexandre Farto (1987), mais conhecido como Vhils, continua a evoluir e a impulsionar o seu estilo ao esculpir em grande escala rostos de figuras anónimas, de forma a revelar as camadas inferiores ocultas e a fragilidade do espaço urbano. Surgiu na cena artística em 2008, ao criar uma revolução, através da sua prática artística inovadora, na qual a destruição é uma forma de construção. Tornou-se um fenómeno internacionalmente, principalmente pelos seus trabalhos murais no espaço público, homenageando José Saramago, Zeca Afonso, entre outros.  O espaço onde cresceu, Seixal, um subúrbio industrializado do outro lado do rio de Lisboa (Portugal), influenciou profundamente a sua prática pelas transformações provocadas pelo intenso desenvolvimento urbano, nas décadas de 1980 e 1990. Tal como Bordalo II, Banksy e Jean-Michel Basquiat, foi nas ruas que se formou a base para a sua produção artística inicial, acabando por projetar as suas percepções do mundo exterior por meio dos seus atos criativos. Costuma esculpir os rostos nos espaços públicos - na lateral de edifícios - com uma variedade de ferramentas e materiais que podem deixar uma marca ou remover materiais, incluindo martelos, brocas, ácido de gravação, alvejante e explosivos. Além de escultura mural, também tem vindo a explorar outros meios como a serigrafia, a instalação e outros suportes, como cartazes publicitários, portas de madeira e placas de metal que recolhe das ruas. Obras como “Open Walls Baltimore 1”, “POW! WOW! Hawaii 2014 - King Lunalilo Mural” e “Duskrefletem temas atuais do panorama artístico, como a identidade, a representação, a efemeridade e a vivência do indivíduo na sociedade de consumo.