p55 art
Árpád Szenes
Em Promoção

Serigrafia

Preço de saldo

Preço normal €675
( / )
Entregas
Devoluções
Proteção

O envio para a sua morada é gratuito e inclui seguro de transporte*
Todos os nossos preços incluem todos os impostos e taxas, sem surpresas.
Ao finalizar a encomenda aceita pagar o valor da sua compra num prazo máximo de cinco dias.
Consulte as nossas condições contratuais nos Termos do Comprador.
*Campanha válida para União Europeia. Não inclui produtos com peso acima de 30kg.

A devolução é gratuita durante um período de 14 dias. Para devolver uma obra basta aceder à pagina Política de Devoluções, e ao preencher o formulário, indicar o respectivo dia para a recolha. Após a nossa confirmação, o estafeta efetuará a recolha na morada indicada.

A Proteção ao Comprador retira qualquer risco de fraude da nossa plataforma. A P55 resolverá a situação caso o artigo comprado não se encontre como descrito. Só enviamos o valor da compra ao vendedor depois do cliente receber a obra e estar satisfeito com a sua compra.

Árpád Szenes (1908-1992)


Serigrafia em papel vélin d`Arches,


1976


Assinada manualmente pelo artista e numerada 58/100, em


excelente estado de conservação


Moldura nova c/ vidro anti-reflexo


Dim. moldura: 58 X 42 cm


Dim. aprox. mancha: 28 X 13 cm


Dim. aprox. papel: 40 X 30 cm


Referências: Arpad Szenes, L`œuvre gravé, Musée des Beaux- Arts


de Dijon, 52)




 


 


Biografia

Afastando-se da representação fiel, a abstração é uma categoria que se formou na arte ocidental no século XX, a partir de artistas como Jackson Pollock, Willem de Kooning e Mark Rothko. As obras de J.M.W. Turner, Gustave Courbet, Édouard Manet e os impressionistas, influenciaram o que categorizamos hoje de abstração. Pablo Picasso e Georges Braque, criam o primeiro movimento de arte abstrata, o cubismo. Este é fundamental para o futurismo na Itália, a abstração sem representação (non-objective abstraction) de Wassily Kandinsky, Kasimir Malevich e Piet Mondrian e o purismo de Le Corbusier e Amédée Ozenfant. Denota-se que na segunda metade do século XX, movimentos como expressionismo abstrato, arte conceptual e o minimalismo abraçaram o poder e estética da abstração formal em vez da representação literal.