A Humanidade e natureza nas esculturas de Jaume Plensa

A Humanidade e natureza nas esculturas de Jaume Plensa

Quem é o artista Jaume Plensa?

Jaume Plensa é um artista espanhol conhecido pelas suas esculturas de cabeças humanas gigantes feitas de diferentes materiais, como vidro, aço inoxidável e resina. Também trabalhou com pintura, desenho e instalações de arte. As suas obras estão exibidas em exposições internacionais e estão presentes em coleções públicas e privadas em todo o mundo.

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

Quais são as carateristicas das obras de Jaume Plensa?

Jaume Plensa é conhecido pelas suas esculturas de cabeças humanas gigantes feitas de diferentes materiais, como vidro, aço inoxidável e resina. Estas esculturas geralmente representam cabeças de crianças ou jovens, e muitas vezes são caracterizadas por expressões contemplativas ou sonhadoras. Tem uma forte conexão com o espaço e o tempo, e suas esculturas são frequentemente colocadas em locais públicos onde os espectadores podem interagir com estas e refletir sobre seus significados. Outra caracteristica importante é a escala e dimensão das suas obras, que geralmente são enormes, chamando a atenção e criando uma sensação de imersão. Além disso, as suas esculturas Plensa são conhecidas por serem simbólicas, contemplativas, tendo a representar a humanidade e a natureza.

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

Quais são as obras mais famosas de Jaume Plensa?

"Dreamer" (Sonhador)

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

"Dreamer" (Sonhador) é uma escultura de Jaume Plensa, é uma cabeça humana gigante feita de aço inoxidável. Representa uma menina de olhos fechados, que parece estar sonhar ou meditar. A escultura foi projetada para se integrar na paisagem entorno do parque, e é frequentemente vista como um ícone da cidade, sendo conhecida pela sua beleza e sua capacidade de inspirar reflexão e meditação. Foi criada com a intenção de representar a esperança e a paz, e é considerada uma metáfora da busca humana pela sabedoria e compreensão. A escultura de "Dreamer" foi muito bem recebida pela crítica e pelo público. Ganhou vários prémios e tornou-se uma atração turística popular, frequentemente fotografada e filmada.

"Echo" (Eco)

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

A sua escultura Echo recebeu o nome da ninfa da montanha da mitologia grega que ofendeu a deusa Hera. Para punir Echo, Hera privou a ninfa da fala, exceto pela capacidade de repetir as últimas palavras ditas por outra. Plensa criou esta monumental cabeça de Eco com os olhos fechados, aparentemente ouvindo ou em estado de meditação. A obra está situada na orla do parque, onde Echo olha para Puget Sound na direção do Monte Olimpo.

"Crown Fountain" (Fonte da Coroa)

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

"Crown Fountain" é uma instalação de arte pública criada por Jaume Plensa em 2004, localizada na Millennium Park, Chicago, Illinois, EUA. A instalação consiste em duas torres de vidro de 15 metros de altura que exibem projeções de rostos que atiram água para baixo. As torres projetam imagens em vídeo de um amplo espectro social dos cidadãos de Chicago, uma referência ao uso tradicional de gárgulas em fontes, onde rostos de seres mitológicos foram esculpidos com as bocas abertas para permitir o escoamento da água, símbolo da vida. "Crown Fountain" foi projetada para se integrar na paisagem e foi criado com a intenção de representar a diversidade da cidade de Chicago e sua comunidade. A fonte é muito popular entre os visitantes, especialmente durante os meses quentes, quando as pessoas gostam de se refrescar nas águas da fonte.

"The Nomade"

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

A escultura apareceu originalmente em Antibes no verão de 2007. Durante encerramento do Musée Picasso de março de 2006 a julho de 2008, o vice-presidente de Antibes solicitou um projeto externo ao curador Jean-Louis Andral. “Nomade” foi celebrada por milhares de visitantes seduzidos pela presença desta estátua monumental, sentada nas muralhas da cidade, com o seu olhar imaginário cravado na imensidão do Mar Mediterrâneo. Posteriormente, esta escultura partiu para Miami e foi adquirida pelos colecionadores de arte Mary e John Pappajohn de Des Moines. A cidade de Antibes Juan-les-Pins encomendou uma escultura semelhante, e Jaume Plensa voltou a Port Vauban, desta vez para ancorar definitivamente o seu gigante letrado. Foi inaugurado em maio de 2010 na presença de Frédéric Mitterand, Ministro da Cultura e Comunicação. Jaume Plensa usa letras como componentes básicos de grande parte da sua arte, que explora questões de comunicação entre indivíduos ou culturas. Esta obra retrata uma figura anónima, agachada, com uma “pele” composta por letras do alfabeto latino. A escultura exemplifica o interesse contínuo de Plensa pelas ideias apresentadas em textos escritos, bem como pelo corpo humano e como ele percebe o mundo ao seu redor. Jaume Plensa descreveu as letras ou símbolos individuais como componentes que têm pouco ou nenhum significado por conta própria, mas florescem em palavras, pensamentos e linguagem quando combinados com outros. As telas de letras de Plensa oferecem uma metáfora para a cultura humana, na qual uma pessoa sozinha tem um potencial limitado, mas quando formada em grupos ou sociedades, torna-se mais forte. “Nomade” envolve o espectador em muitos níveis, desde nosso reconhecimento das letras que formam a forma, até nossa própria interação física com a obra conforme a vemos de longe ou de dentro do espaço interior da obra.

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

A influência de Jaume Plensa na arte

AJaume Plensa é considerado um artista importante na arte contemporânea, e suas obras têm sido influentes para muitos outros artistas. A sua abordagem única para a escultura, combinando materiais modernos com formas humanas tradicionais, a escala e dimensão, e reflexão sobre temas universais como a humanidade e a natureza, tem sido uma fonte de inspiração para muitos artistas que trabalham com escultura ou com temas similares.
Jaume Plensa atualmente vive e trabalha em Barcelona, contudo desde 1980, ano da sua primeira exposição em Barcelona, já viveu em Berlim, Bruxelas, Inglaterra, França e Estados Unidos. Já foi professor na École nationale supérieure des Beaux-Arts em Paris e colabora regularmente com a School of the Art Institute of Chicago como professor convidado. Também ministrou muitas palestras e cursos em outras universidades, museus e instituições culturais ao redor do mundo.
Jaume Plensa recebeu inúmeros prémios nacionais e internacionais, incluindo a Medaille de Chevalier des Arts et des Lettres, concedida pelo Ministério da Cultura da França, em 1993, e o Prêmio Nacional de Belas Artes do Governo da Catalunha, em 1997. Em 2005, foi investido Doutor Honoris Causa pela Escola do Art Institute of Chicago. Na Espanha, recebeu o Prémio Nacional de Belas Artes em 2012 e o prestigiado Prêmio Velázquez de Artes em 2013 e foi premiado com o Doutorado Honorário da Universitat Autònoma de Barcelona em 2018.

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART

Plensa expõe regularmente seu trabalho em galerias e museus da Europa, Estados Unidos e Ásia. As exposições marcantes em sua carreira incluem a organizada na Fundació Joan Miró em Barcelona em 1996, que viajou para a Galerie nationale du Jeu de Paume em Paris e para o Malmö Konsthall em Malmö (Suécia) no ano seguinte. Na Alemanha, vários museus têm realizado exposições de sua obra. Estes incluem Love Sounds no Kestner Gesellschaft em Hannover em 1999, The Secret Heart, que foi exibido em três museus na cidade de Augsburg em 2014 e Die Innere Sight no Max Ernst Museum, em Brühl em 2016. Durante 2015 e 2016 o A exposição Human Landscape viajou por vários museus norte-americanos: Cheekwood Estate and Gardens e The Frist Center for the Visual Arts em Nashville, TN, o Tampa Museum of Art em Tampa, FL e o Toledo Museum of Art em Toledo, OH. As suas últimas exposições em museus foram Invisibles no Palacio de Cristal – Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía em Madri, e no MACBA em Barcelona, ​​que viajou para o Museu de Arte Moderna de Moscou em Moscou, Rússia. Em 2022, o Musée d'art moderne de Céret em Céret, na França, inaugurou os seus novos espaços com a exposição Chaque visage est un lieu. Em resumo, Jaume Plensa é um artista importante e influente na arte contemporânea, devido à sua abordagem única simbólica e contemplativa, numa escala e dimensão peculiar.

Jaume Plensa | Magazine | P55.ART


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente