Animais de Estimação dos Artistas

Animais de Estimação dos Artistas

Artistas e os seus animais
Os animais têm inspirado artistas desde as primeiras pinturas rupestres de veados e bisontes - e gatos, cães, pássaros e outros animais de estimação continuaram a ajudar a criatividade com sua beleza, humor, companheirismo e fofura. Descubra nesta lista tudo sobre alguns dos maiores artistas visuais e relacionamentos com animais e o incrível trabalho que eles inspiraram.

Pablo Picasso
Um dos mais influente artistas do século XX, que nasceu na Espanha em 1881, criou mais de 50.000 obras de arte em sua vida - incluindo 12.000 desenhos, milhares e milhares de gravuras, 2.880 cerâmicas, 1.885 pinturas, mais de 1.000 esculturas e inúmeras tapeçarias e tapetes. Picasso adotou Lump, o dachshund, em 1957 e o cão apareceu em 54 das obras do pintor. Lump e Picasso ficaram juntos por dezesseis anos e morreram com poucos meses de diferença um do outro.

Pablo Picasso | P55 Magazine | P55.ART

Salvador Dalí 
O artista surrealista Salvador Dalí não tinha somente um gato mas também duas jaguatiricas, Babou e Bouba. Esta espécie é um leopardo anão nativo da América Latina. Soa meio perigoso? O artistas também teve um papa-formigas. 

Salvador Dalí | P55 Magazine | P55.ART

Frida Kahlo
Outra amante de animais exóticos, foi Frida Kahlo que teve diversos animais, desde cães, pássaros, macacos e até um gamo chamado Granizo. Este animais fizeram-lhe companhia nos altos e baixos da sua vida. Frida Kahlo foi uma pintora mexicana incrivelmente influente, mais conhecida pelos seus autorretratos. A vida de Frida Kahlo foi marcada por tragédia e dor — contraiu poliomielite aos seis anos, que danificou permanentemente o seu braço direito, e sofreu um acidente de autocarro que quebrou a sua coluna. Frida Kahlo manteve muitos animais de estimação - vários macacos de estimação, cães xoloitzcuintli ("Mexican Hairless"), papagaios, periquitos, araras, galinhas, uma águia de estimação chamada Gertrudis Caca Blanca ("Gertrude White Shit") e um cervo chamado Granizo. Frequentemente pintou os seus companheiros animais. Na pintura de 1946, The Wounded Deer, Frida Kahlo expressa a dor sentida através do corpo de um veado. 

Frida Kahlo | P55 Magazine | P55.ART

Andy Warhol
Figuras populares e objetos do quotidiano americano criaram um novo movimento artístico, no qual Andy Warhol (1928-1987) foi um dos protagonistas. O artista americano, que iniciou a sua carreira como ilustrador em diversas revistas, tornou-se uma das figuras da Pop Art. Marilyn Monroe, garrafas de coca-cola, caixas brillo e latas de sopa Campbell, foram reproduzidas em série com diferentes cores usando a técnica da serigrafia. Dando uma nova ordem estética aos objetos do quotidiano, o artista americano analisa uma sociedade submersa no consumismo. O seu estúdio, ao qual chamou The Factory, tornou-se um centro de encontro, produção artística e fruição da vida moderna. Para além de artista plástico, foi também fotógrafo, cineasta e produtor do famoso álbum com a banana na capa da banda Velvet Underground. Na verdade, qualquer pessoa familiarizada com o trabalho de Andy Warhol conhece os seus primeiros desenhos divertidos de gatos. Em 1954, Andy Warhol publicou um livro de litografias chamado "25 Cats Name Sam and One Blue Pussy". Andy Warhol e a sua mãe tiveram diversos gatos ao mesmo tempo.

Andy Warhol | P55 Magazine | P55.ART

Paul Klee
Os gatos que o acompanharam ao longo da sua vida não foram apenas uma companhia agradável para o artista, mas também parceiros, inspiração e, às vezes, mentores. Uma das técnicas favoritas de Paul Klee era riscar a camada de tinta com algo afiado. E quem melhor do que os gatos poderia lhe ensinar essa difícil técnica?

Paul Klee | P55 Magazine | P55.ART

David Hockney 
Pintor e fotógrafo que vive em Londres, influente no movimento "pop art", na década de 1960. Aos 75 anos, Hockney continua no ativo, tendo dois dachshunds, chamados de Stanley e Boogie.

David Hockney | P55 Magazine | P55.ART

René Magritte
Foi um surrealista belga, famoso pelas suas pinturas peculiares e espirituosas que deveriam brincar com a percepção dos espectadores da realidade e da verdade. Um grande, e talvez o mais famoso, exemplo de senso de humor e filosofia de sua arte foi na pintura "A Traição das Imagens", onde um cachimbo é retratado junto com a 'legenda' pintada "Ceci n'est pas une pipe". René Magritte casou-se com Georgette Berger em 1922 e posteriormente adoptaram um cão, Lou-Lou.

René Magritte | P55 Magazine | P55.ART


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente